Lipoaspiração reduz gorduras localizadas, mas pode trazer sérios riscos

Lipoaspiração reduz gorduras localizadas, mas pode trazer sérios riscos

Na eterna busca pelo corpo perfeito, as mulheres estão cada vez mais recorrendo à lipoaspiração, que elimina as gordurinhas localizadas. O procedimento parece simples, mas, se não for feito da forma correta e por um profissional capacitado, pode trazer consequências sérias. Existem até mesmo casos em que complicações na cirurgia levaram mulheres à morte. Por isso, antes de se decidir por uma lipo, é importante estar atento a alguns detalhes. O primeiro deles é se certificar de que o profissional está cadastrado no site da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Outro ponto é avaliar as condições do local onde a cirurgia será realizada. “O paciente deve pedir para ver a licença sanitária do local. E escolher sempre um médico capacitado. Existe gente que coloca que é membro da Sociedade de Cirurgia Estética, mas isso não existe, colocam para enganar”, alerta o cirurgião plástico Alderson Luiz Pacheco.

Ele explica que existem alguns riscos que são inerentes à cirurgia, como perfuração gastrointestinal e trombose, que pode ocorrer por causa da redução do fluxo sanguíneo. Os principais fatores de risco são: uso de anticoncepcional, tabagismo, varizes e idade acima de 50 anos. Para evitar qualquer problema, a recomendação é que sempre sejam feitas as consultas e exames pré-operatórios. “Esses fatores não impedem que a cirurgia seja realizada, mas alteram a conduta para que tudo corra bem. Quando identificados, passam antes por uma avaliação específica”, esclarece.

Não existe uma idade mínima para quem quer fazer uma lipo, que tem sido cada vez mais procurada por pessoas mais novas. Mas os médicos exigem que os pais autorizem. A indicação da lipo é para quem tem gordura localizada, como culote e barriga. A cirurgia só consegue tirar a gordura superficial, e o que se perde fica entre 5% e 7% do peso. Mais do que isso, é um risco.

“Quando alguma pessoa procura a cirurgia, sempre recomendamos antes um nutricionista, uma atividade física ou até mesmo um psicólogo. Muita gente procura porque está em crise no relacionamento, por exemplo, achando que, se melhorar o corpo, a situação vai mudar. Nesses casos é até perigoso fazer a cirurgia, porque sabemos que não vai resolver o problema da pessoa. Então encaminhamos ao psicólogo”, explica o médico.

Ele relata que há pessoas que nem tentam emagrecer e vão direto para a lipo. Há também quem repita sempre o procedimento, pois volta ao corpo de antes, e depois recorre à lipo de novo. “Muitas pessoas estão acima do peso e buscam a lipo. São pessoas que já tentaram emagrecer e não conseguiram, mas com a melhora no corpo, se sentem estimuladas a buscar o emagrecimento, atividades físicas, e acabam conseguindo”.

Para que o resultado seja satisfatório, é preciso ter todos os cuidados no período pós-operatório: repouso de uma semana em casa, podendo então retornar ao trabalho; um mês para voltar à academia e demais atividades; uso de modeladores nesse mesmo período; e drenagem. “É uma cirurgia que dói muito, é uma das mais doloridas, mais até que cirurgias abdominais ou de mama. Mas, em compensação, a recuperação é mais rápida”, finaliza.